Lapso / Lapse / Lapsus

in english below…
en castellano abajo…

Lapso

Illustration: Paloma Villela

Illustration: Paloma Villela

O espaço entre hoje e ontem ficou tão grande. Ontem todas as coisas estavam para acontecer, e hoje elas já aconteceram. Ontem eu sabia o que queria, hoje não tenho nem ideia. Mas ao mesmo tempo ontem me sentia completamente miserável, e hoje pareço ‘encontrada’.

Livre de expectativas de vida. A vida já se apresentou para mim; ela está aqui acontecendo, mudando para outros “amanhãs”. Mas o mais importante… muito mais nos “hoje”. Não me sinto muito longe dos vinte anos, só diferente. É como se essa diferença me permitisse ser a mesma de sempre. Eu gosto disto; finalmente entendo que sempre tive medo de ser eu mesma. Esse ‘eu’ que identifico como quem sou não parece encaixar em muitos lugares. Todo meu ser luta contra sentimentos contraditórios: ser parte de um grupo, ou ser única. Eu poderia ser única dentro do grupo, então esse grupo teria que ser capaz de não julgar, ou talvez estar repleto de pessoas únicas.

A outra alternativa seria que eu fosse capaz de aceitar que não faço parte do grupo, mas posso viver esse grupo se não me esqueço das minhas peculiaridades. O que fica bem difícil, por que minha tendência é querer encaixar e mudar meus discursos, um a um, pouco a pouco; até que um dia eu acordo, e já não sei quem sou. Passei boa parte da minha vida adulta seguindo esse círculo vicioso: de descobrir e esquecer. ‘Fazer parte’ tem muitos consolos, mas o preço é alto demais. O preço é sua própria alma.

 

Texto e ilustração: Paloma Villela
Revisão: Marcel Ruiz


Lapse

Illustration: Paloma Villela

Illustration: Paloma Villela

The space between today and yesterday has become so big. Yesterday all things were still to happen, and today they have already happened. Yesterday I knew what I wanted, now I have no idea. But at the same time yesterday I felt completely miserable, and today I feel I found myself.

Free from expectations of life. Life has presented herself to me; she’s here happening, moving to other “tomorrows”. But the most important… much more in the “today”. I don’t feel far from the twenties, only different. It’s like if the difference would allow me to be the same as always. I like it; finally I understand that I always was afraid to be myself. This ‘I’ I identify as who I am doesn’t seem to fit in many places. All my being fights against contradictory feelings: be part of a group, or be unique. I could be unique within the group, then that group would have to be able not to judge, or may be full of unique people.

The other alternative would be that I was able to accept that I am not part of the group, but I still can live this group if I do not forget my peculiarities. Which is very difficult, because my tendency is to want to fit in and change my speeches, one by one, little by little; until one day I wake up, and no longer know who I am. I spent most of my adult life following this vicious circle: to discover and to forget. ‘Be part’ has many comforts, but the price is too high. The price is your own soul.

Text and illustration:Paloma Villela
Review: Marcel Ruiz


Lapsus

Illustration: Paloma Villela

Illustration: Paloma Villela

El espacio entre hoy y ayer se ha quedado tan grande. Ayer todas las cosas estaban por ocurrir, hoy ellas ya ocurrieron. Ayer yo sabía lo que quería, hoy no tengo ni idea. Pero a la vez ayer me sentía completamente miserable, y hoy parezco ‘encontrada’.

Libre de expectativas de vida. La vida ya se ha presentado para mí; ella está aquí ocurriendo, cambiando para otros ‘mañanas’. Pero  lo más importante… está mucho más en el ‘hoy’. No me siento muy lejos de los veinte años, sólo diferente. Es como si esta diferencia me permitiera ser la misma de siempre. Me gusta esto; finalmente entiendo que siempre tuve miedo de ser yo misma. Este ‘yo’, que identifico como quién soy, no parece encajar en muchos lugares. Todo mi ser lucha contra sentimientos contradictorios; ser parte de un grupo o ser única. Yo podría ser única dentro del grupo, entonces este grupo tendría que ser capaz de no juzgar, o tal vez estar repleto de personas únicas.

La otra alternativa sería que yo fuera capaz de aceptar que no hago parte del grupo, pero puedo vivir este grupo si no me olvido de mis peculiaridades. Lo que me es muy difícil, por que mi tendencia es querer encajar y cambiar mis discursos, uno a uno, poco a poco; hasta que un día despierto, y ya no sé quién soy. He pasado gran parte de mi vida adulta siguiendo este círculo vicioso: de descubrir y olvidar. ‘Hacer parte’ tiene muchos consuelos, pero el precio es demasiado alto. El precio es tu propia alma.

 

Texto y ilustración: Paloma Villela
Revisión: Marcel Ruiz

Advertisements

About Padmaworld

www.padmaworld.com

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: